11 de setembro de 2014

Adestrando seres humanos


Por causa de mais uma notícia horrível sobre mau comportamento de alguém, uma amiga querida declarou em seu mural do Facebook que havia perdido as esperanças no ser ser humano. Dessa sua fala cheia de frustração nasceu uma conversa que compartilho aqui. Se possível, depois de ler o texto, deixe sua opinião sobre o assunto.

Amiga: E vocês ainda tem esperanças no ser ser humano?

Maa: Ser humano decente só com muita disciplina, já bem sabem os japas.

Maa: Eu não penso que o ser humano é mau. Essa dicotomia "bom e mau" é muito boba. Só acho que o ser humano é animal mais do que acha que é. É muito motivado por prerrogativas individualistas, que visam garantir a sobrevivência. Então, para ser diferente do natural tem que ter muita disciplina, como os animais. Se o adestramento serve para os animais "se comportarem" (ou seja, se adaptarem à vida em sociedade), serve para nós também. Quando o ser humano tem muita liberdade, se rende aos instintos básicos. Pensar coletivamente não nos acontece naturalmente e também não é atividade que permanece depois de aprendida. Precisamos de estímulo para viver bem em grupo, e o tempo todo.

Amiga: Super concordo! E muitos diriam que esse estímulo é a fé, a religião ou Deus. O que prende as pessoas na jaula da 'moral' é a crença que existe um juízo final, um purgatório onde será decido se o homem irá para o inferno ou não. Particularmente, eu acho que a religião cega as pessoas (ao mesmo tempo que pra algumas é a salvação). Não acho que o ser humano possa ser classificado simplesmente em bom ou mau. Só acho que no ponto em que estamos, depois de tantos anos de história, se ainda não aprendemos com o passado, não temos como evoluir muito. Por isso meu desabafo, minha descrença. Tenho medo de viver nesse mundo. (Maa, se vc se interessa por esse assunto, assista um filme chamado God's not Dead. É meio tendencioso pra religião, meio muito, mas não se assuste. Ele tem uma visão interessante sobre essa questão da moral versus religião versus instintos básicos.)

Maa: Sim, acho que não rola mudar drasticamente. Somos o que somos. Com isso sabido, precisamos aprender a lidar com nossos temperamentos. E acho que o caminho do controle não é pelo medo, que é o caminho da religião. É pela disciplina mesmo. Pela reforma do pensamento (ou do comportamento). É preciso estar sempre disposto a ensinar de novo, a repetir. Estímulo positivo é a chave, igual se usa pra adestrar cães! (Todo mundo sabe que não rola usar métodos violentos, o medo, ou restrições fortes pra ensinar os animais. Tem que ser na paciência.)

Amiga: The world is moved by fear. De onde é isso? Enfim... é bem isso mesmo.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...